O mundo dos processos seletivos – Parte 2

By | April 2, 2012

No Mundo dos processos seletivos – Parte 1, dei uma breve introdução sobre o meu histórico em processos seletivos. Na Parte 2, pretendo compartilhar a minha experiência rumo ao “selo” que todo universitário gostaria de ter no currículo: a conquista de um bom estágio e a aprovação em um programa de trainee.

Mas o que seria um ‘bom estágio’? Na verdade, isso depende muito daquilo que cada um busca na sua carreira. Alguns acham que trabalhar em uma empresa de grande porte e que tem uma marca reconhecida (geralmente aquelas que são mais familiares ao público em geral como Nestlé, Coca-Cola etc) é sinônimo de um bom estágio. Outros priorizam a experiência que se irá ter e/ou a estrutura do programa, sem se prender muito ao porte ou ao nome da empresa. E outros buscam a combinação dos dois.

Já vi casos de pessoas que passaram em grandes empresas, mas as vagas não eram exatamente aquilo que buscavam, assim como outras que ficaram hesitantes em entrar em uma empresa menor ou menos reconhecida apesar da vaga proporcionar a experiência que desejavam.

Acho que é importante ao candidato fazer esta reflexão e criar um filtro mínimo na hora de procurar um estágio ou trainee, pois “atirar para todos os lados” pode se tornar penoso e ineficiente.

De uma maneira geral, os processos seletivos possuem as seguintes etapas: Inscrição, Testes Online, Dinâmica de Grupo, Painel com Gestores e Entrevista.

Testes Online

Muita gente fica ansiosa com esses testes, mas o segredo é manter a calma e se concentrar, pois as questões não são difíceis. Eles geralmente abordam raciocínio lógico, conhecimentos gerais, atualidades e inglês. Acredito que aqueles que leem jornais e revistas periodicamente e estudam inglês há algum tempo não terão grandes dificuldades.

Dinâmica de Grupo / Painel com Gestores

Basicamente, estas são as etapas presenciais em que dão aos candidatos um estudo de caso para resolver. E eu me perguntava: O que é um estudo de caso? Nada mais é do que uma simulação de uma situação vivida por uma empresa (geralmente com problemas!) na qual devemos discutir em grupo e trazer propostas e soluções.

Na minha opinião, esta é uma das etapas que os candidatos tem mais dificuldade, pois cada atitude que você toma é monitorada e, dependendo do momento, você pode não ter o desempenho que esperava. O importante aqui é contribuir de forma valiosa no trabalho final e ser natural na sua fala, postura etc. Vale a pena ler as dicas que dei em os 9 Mitos dos Processos Seletivos de Estágio e Trainee.

A diferença entre uma Dinâmica de Grupo e o Painel com Gestores é que o primeiro geralmente acontece na presença do RH da empresa e das consultoras de RH contratadas, enquanto que no segundo, envolve os executivos da empresa.

Entrevista

Uma das grandes dificuldades de todo aspirante a estagiário é falar sobre si mesmo, principalmente, pela falta de experiência. O que eu mais escutava era: “O que eu vou falar de mim? Nunca trabalhei!”. O exercício que deve ser feito aqui é pensar sobre as suas qualidades, defeitos, as experiências que você teve e que contribuiram para a sua formação etc. Contar sobre um intercâmbio que você fez é positivo, mas isso depende muito do foco que se dá ao relatar isso.

O importante é mostrar os seus aprendizados, reconhecendo que existem pontos que você está trabalhando para melhorar. Falar que o seu defeito é perfeccionismo ou ansiedade dói até nos ouvidos de tão clichê que se tornou! Eu, pessoalmente, evitava dizer isso.

 

No final, depois de muitas tentativas, consegui um estágio em uma multinacional do setor químico e passei em 3 programas de trainee, além de ter desistido das etapas finais de mais 2 empresas. Assim como qualquer um, tive as minhas derrotas e escutei diversas pessoas dizendo que eu não tinha o tal do “perfil” para a vaga. Apesar de ser algo bastante difícil de  ouvir, principalmente, quando você está na última etapa, não desisti nunca!

A mensagem que gostaria de deixar a você, universitário, é que não deixe se abalar caso receba diversos “nãos” durante a procura por um estágio ou trainee. Isto é algo que você terá que aprender a lidar agora e pelo resto da vida. Confie no seu potencial e seja persistente de maneira inteligente, refletindo sobre as ocasiões em que recusaram uma vaga a você. Não adianta ser persistente sem identificar os pontos que poderiam ser melhorados. Esta reflexão só tem a ajudar!

Desejo sorte aos futuros estagiários e trainees e qualquer dúvida que tenham, estou a disposição! É só entrar em contato, clicando lá no canto superior direito do blog.

 

Foto: Dreamstime

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *